Ticker

6/recent/ticker-posts

Ajudando seu filho a lidar com a "exclusão" das “panelinhas”.



O que fazer quando seu filho se sente excluído?

A sensação de exclusão e de desprezo pode ser terrível, mesmo para adultos. Pense como deve ser horrível para uma criança pequena, que não tem as experiências de vida e as habilidades de enfrentamento que os adultos têm, para ouvir palavras como; "Você não pode brincar conosco" ou "Não queremos você sentado aqui” "ou" Você não foi convidado para a minha festa de aniversário ".

Infelizmente, esses exemplos de “bullying” relacional e social e de exclusão são cenários muito comuns entre crianças em idade escolar.

A boa notícia é que existem maneiras  de pais e professores intervir para ajudar crianças que estão lidando com, “grupinhos”  e“panelinhas” e assim ajudar no combate a esse tipo de conhecido como bullying social passivo-agressivo  .

Definindo “panelinhas”?

Primeiro de tudo o que os pais devem saber é exatamente o que define um grupinho de exclusão ou “panelinhas”. Embora seja normal e saudável as crianças formarem vínculos e fazerem amigos  e  mesmo formarem um relacionamento próximo com certas crianças mais do que outras, as panelinhas são diferentes de um grupo de amigos em alguns aspectos importantes a saber;.

1- As panelinhas geralmente têm um líder ou líderes que decidem quem será ou não incluído.

2- As panelinhas podem se formar no ensino médio e médio, mas podem e começam tão cedo quanto a escola primária e até o jardim de infância.

3- As crianças que são membros de uma camarilha podem sentir pressão para fazer coisas que podem não querer, como provocar ou intimidar alguém que não faz parte do grupo.

Como os Pais podem agir

Sente-se para uma conversa com seu filho e realmente ouça o que seu filho diz quando você pergunta a ele como foi seu dia na escola e faça perguntas específicas como tais como "Com quem você sentou no almoço hoje?" ou "Com quem você brincou no recreio?"

Caso perceba que seu filho parece triste ou chateado por responder a essas perguntas ou diz que não se sentou ou brincou com ninguém, pergunte-lhe o motivo.

Procure o professor do seu filho. O professor do seu filho provavelmente conhece as rotinas sociais da sala de aula e pode fornecer informações sobre o que está acontecendo. Ele provavelmente também tem experiência em lidar com panelinhas e pode sugerir algumas soluções para ajudar seu filho se ele estiver realmente sendo excluído por um grupo de maioria na sala de aula.

Jamais Subestime pensando que isso faz "parte da infância"  que tornará as crianças mais fortes ou simplesmente desaparecerá se a ignorarem. A exclusão ou bullying social é agressão, ainda que não haja violência fisica. O comportamento agressivo pode ser algo comum nas gerações passadas e talvez algo que algumas crianças ainda praticam hoje em dia, isso não significa que devemos permitir que ele continue.

Esteja sempre incentiveando seu filho a brincar com outras crianças. Nós quando nos sentimos excluídos, naturalmente nos esforçamos ainda mais para nos enturmar, ajude seu filho incentivando a olhar para outras crianças e desvie o foco das crianças más. Organize recreações e marque uma data de brincadeira depois da escola e realize reuniões com pais e filhos que não fazem parte dos ditos grupinhos para que seu filho faça outras amizades saudáveis.



Quanto aos professores, o que podem fazer?

Os professores podem desempenhar um papel importantíssimo ainda que sem saber na formação de panelinhas.   Para não permitir que grupos sociais como este formem e obtenham poder na sala de aula, os professores devem garantir que não se formem para que isso não aconteça. Eles podem dividir grupos restritos de diferentes crianças e regularmente,  incentivar que todas as crianças  trabalharem juntas.

Juntos,  pais e professores podem e devem fazer um esforço para orientar as crianças na direção certa, para que assim, elas aprendam sobre coisas como cooperação e solidariedade, não incentivando assim hábitos que apenas falam  e criticam as piores partes do comportamento humano, como maldade e desprezo. 

Texto adaptado de uma palestra do Dr. Tracy Vaillancourt, Ph.D., Professor e Presidente de Pesquisa do Canadá em Crianças Saúde Mental e Prevenção da Violência na Universidade de Ottawa. Site: https://www.verywellfamily.com/

Postar um comentário

0 Comentários